O diretor executivo do Semesp – Sindicato das Mantenedoras de Ensino Superior, Rodrigo Capelato, apresentou nessa quarta-feira (21), um panorama do ensino superior completo e atualizado da Região Administrativa de Sorocaba (79 municípios), durante a 13ª edição das Jornadas Regionais que aconteceu no Hotel Golden Park Sorocaba.

Segundo pesquisa da Assessoria Econômica do sindicato, as matrículas em cursos presenciais na rede privada em Sorocaba tiveram um pequeno crescimento de 0,7% em 2015 (eram 72.127 alunos matriculados em 2014 e passou para 72.622). Na rede pública o crescimento chegou a 8,7% (15.886 alunos matriculados em 2014 para 17.270 em 2015).

No levantamento dos ingressantes (que iniciam o 1º ano do curso), em Sorocaba houve uma queda de 15,2% na rede privada (31.831 ingressantes em 2014 para 27.003 em 2015). Na rede pública ocorreu um crescimento de 6,0% (eram 5.518 ingressantes em 2014 e chegou a 5.849 em 2015). “A queda na taxa de ingressantes na rede privada mostra o reflexo da crise econômica no país e, além disso, que sem Políticas Públicas não há estímulo de crescimento do ensino superior, independentemente de quem ofereça vagas, se a rede pública ou privada”, disse Capelato.

O estudo levantou ainda os cinco cursos presenciais mais procurados na rede privada de Sorocaba: Administração, Direito, Engenharia Civil, Pedagogia e Engenharia de Produção.

EaD

Ainda segundo o levantamento, as matrículas na rede privada de Educação a Distância em Sorocaba registraram queda de 3,4% (24.515 matrículas em 2014 para 23.671 em 2015. Já o número de ingressantes na rede privada em Sorocaba teve uma queda 16,3% (14.325 ingressantes em 2014 para 11.986 em 2015). Entre os cursos mais procurados na rede privada em Sorocaba estão: Pedagogia, Administração, Serviço Social, Gestão de Pessoal/Recursos Humanos e Gestão Logística.

“A graduação em EaD tem muito a crescer, porque o público que frequenta a modalidade atinge a faixa etária dos 25 aos 44 anos, e só nessa faixa etária temos hoje 20 milhões de brasileiros que ainda não ingressaram no ensino superior. O mercado de EaD ainda está muito concentrado em poucos players e modelos. Com a nova portaria publicada nessa quarta (21), no Diário Oficial da União, esse quadro deve mudar, já que hoje a evasão na modalidade atinge mais de 34% ao ano no país  na rede privada. Temos de criar novos modelos, mais hídridos. Com maior concorrência de oferta do EaD, a tendência é a qualidade dos cursos melhorar”, disse Capelato.

Portaria Nº 11

Entre as mudanças da Portaria Nº 11 destaca-se a flexibilização para as Instituições de Ensino Superior criarem novos polos. As IES com conceito 3 poderão criar anualmente 50 polos; com conceito 4, 150 e, com conceito 5, 250. Outra novidade é que para criação de novos polos o IGC (Índice Geral de Cursos) não será mais indicador de qualidade indispensável e o MEC prestigiará os componentes do Sinaes – Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior. A avaliação in loco só será a feita na sede da instituição e a alteração de endereço por atualização cadastral. Também será possível ofertar um curso em regime de parceria entre IES credenciadas, formalizado com base no PDI (Plano de Desenvolvimento Individual).

As atividades presenciais dos cursos de pós-graduação poderão ser realizadas em locais distintos da sede e nos polos de EAD. Com o credenciamento de EAD, as IES poderão oferecer tanto o curso de graduação como de pós-graduação. E, por fim, o ambiente profissional pode ser considerado um polo e o acervo poderá ser físico ou digital.

Graduação tecnológica

Capelato falou também da graduação tecnológica. “Nos países desenvolvidos, a grande inclusão no ensino superior se dá por meio dos cursos técnicos. Nos EUA, 50% dos jovens da Classe C frequentam cursos tecnológicos e na Alemanha mais de 70% estão nessa modalidade. Infelizmente no Brasil esses cursos de menor duração e focados na profissionalização, que se encaixam no perfil desses jovens, vem caindo a procura (5,8% de 2014 para 2015), porque a graduação tecnológica no Brasil é extremamente desvalorizada. 

Segundo levantamento em Sorocaba houve uma queda na graduação tecnológica de 12,1% nas matrículas da rede privada (8.053 matrículas em 2014 para 7076 em 2015). Entre os cursos de graduação tecnológica mais procurados em Sorocaba no setor privado estão: Gestão de Pessoal/Recursos Humanos, Gestão Logística, Empreendedorismo, Análise e Desenvolvimento de Sistemas e Estética e Cosmética.

Evasão

Ainda segundo dados do panorama econômico, o número de pessoas fora do ensino superior, saídas do ensino médio, hoje é de 3 milhões. A taxa de evasão (= Matrícula Trancada + Desvinculado Curso + Falecido/Total de Matrícula + Matrícula Trancada + Desvinculado Curso + Falecido), no Brasil, dos cursos presenciais do ensino superior é de 26%, sendo 28,6% na rede privada e 18,4% na pública. Em Sorocaba, a taxa de evasão na rede privada ficou em 29,5%.

Já no EAD a taxa de evasão chega a 33,7%, sendo 34,2% na rede privada e 28,7% na pública. Em Sorocaba, a taxa de evasão na rede privada chegou a 38%. E nos cursos de graduação tecnológica a evasão total é de 35%, sendo 37,2% na rede privada e 26,2% na pública.

Serviço: 

13ª Jornada Regional de Sorocaba

Data: 21 de junho

Horário: das 9h às 18h

Local: Hotel Golden Park Sorocaba

End.: Rodovia Senador José Ermírio de Moraes, km 2,6, s/n – Iporanga

Sorocaba – SP 

Programação:

Dia 21 de junho

11h30  –  13h  –  Legislação Educacional/Atualização – Dra. Raquel Carmona, gerente jurídica do Semesp

13h  – 14h30 – Almoço

14h30  –  15h30  –  Palestras Simultâneas

Gestão da Inovação Acadêmica, Aprendizagem Ativa e o Perfil do Professor – Fábio Reis, diretor de Inovação Acadêmica e Redes de Cooperação do Semesp

Instrumento de Avaliação: Uma abordagem prática para evidenciar a qualidade dos cursos de graduação – Iara Andréa Alvares Fernandes, pró-reitora de Ensino, Pesquisa e Extensão da Universidade São Francisco

15h30  –  16h – Coffee break

16h30  –  18h  –  Palestras Simultâneas

O Mercado de EAD no Brasil: Alternativas para crescimento por meio da educação a distância – Luiz Trivelatto, estrategista de mercado, coach de empreendedorismo, palestrante e educador

Indicadores de Qualidade – CPC, IGC, ENADE e outros – Rodrigo Capelato, diretor executivo do Semesp

Sobre o Semesp – Fundado em 1979, o Sindicato das Entidades Mantenedoras de Estabelecimentos de Ensino Superior no Estado de São Paulo – Semesp congrega cerca de 200 mantenedoras no Estado de São Paulo e no Brasil. Tem como objetivo preservar, proteger e defender o segmento privado de educação superior, bem como prestar serviços de orientação especializada aos seus associados. Periodicamente, realiza uma série de eventos, visando promover a interação entre mantenedoras e profissionais ligados à educação. Dentre eles, destacam-se o Fórum Nacional: Ensino Superior Particular Brasileiro, o Congresso Nacional de Iniciação Científica e as Jornadas Regionais pelo Interior de São Paulo. Para saber mais, acesse www.semesp.org.br/portal/  www.facebook.com/semesp/ https://www.linkedin.com/company/semesp.

Atendimento à imprensa:

Ana Purchio – E-mails: imprensa@semesp.org.br; anapurchio@semesp.org.br

Fone: (11) 2069-4419 / cel. (11) 9 4208-7576