20º fnesp

Desafios da Quarta Revolução Industrial para o Ensino Superior:
Como enfrentar questões como o valor do diploma,
as novas profissões e a tecnologia digital

A Quarta Revolução Industrial, ou “Indústria 4.0”, representa uma convergência de avanços tecnológicos que permitem inovações generalizadas, e que provocarão mudanças mais sistemáticas e profundas em diferentes áreas da sociedade. Seus princípios, alicerçados na revolução digital, terão impactos consideráveis no mundo do trabalho e, consequentemente, no ensino superior. Há uma preocupação permanente dos gestores de IES em relação ao valor do diploma e às profissões do futuro em um mundo digital e flexível.

O Semesp, como organização que congrega um grupo expressivo de mantenedoras de ensino superior brasileiras, propõe no 20º FNESP uma reflexão sobre os desafios da quarta revolução industrial e quer apontar caminhos para que os líderes das IES possam elaborar projetos que permitem a sintonia das instituições com as mudanças que estão por vir.

Inteligência artificial, robótica, gamificação, utilização de plataformas que integram diversas áreas de conhecimento, avanço da oferta de produtos e serviços pelas Startups e uso contínuo de algoritmos para a tomada de decisão são alguns dos alicerces da Quarta Revolução Industrial, e que terão impacto na vida das pessoas e das instituições de ensino.

Para Klaus Schwab, autor do livro “A Quarta Revolução Industrial” e que em 1971 fundou o Fórum Econômico Mundial, o emprego crescerá em ocupações e cargos criativos e cognitivos e diminuirá em trabalhos repetitivos e rotineiros. Schwab apresenta uma pesquisa da Oxford Martin School que indica a possibilidade de risco de perda do emprego para 47% do total dos trabalhadores nas próximas duas décadas, nos EUA. Essa situação é similar ao que pode acontecer no Brasil. Não é comum no ensino superior valorizarmos a criatividade e a capacidade de resolver problemas, o que pode tornar nossas IES obsoletas nos próximos anos.

Diante desse cenário, será que nossas IES estão preparadas para enfrentar o desafio da Quarta Revolução Industrial? Será que nossos gestores já perceberam que é preciso repensar o modelo e o currículo de formação dos jovens?

No relatório “The Future of Degree: how colleges can suvive the new credential economy”, publicado em agosto de 2017 pelo “The Chronicle Higher Education”, a questão que se coloca é que a economia global, os empregadores e a própria sociedade exigem conhecimentos, competências e atitudes que, no atual contexto, não estão presentes na dinâmica das IES. O distanciamento entre o modelo de formação dos estudantes do mundo acadêmico convencional e as expectativas dos empregadores poderá ser cada vez maior, em função da Quarta Revolução Industrial.

De um lado, a Indústria 4.0 nos proporciona acesso a produtos inteligentes, fomenta a inovação colaborativa, exige a reorganização de modelos operacionais das instituições burocráticas e pouco criativas e demonstra que haverá uma fusão dos mundos digitais, físicos e biológicos. Do outro, o relatório do “The Chronicle” indica que o diploma do ensino superior como conhecemos hoje poderá perder sua relevância nos processos de seleção e contratação, pois empregadores querem contratar pessoas que sejam capazes de resolver problemas, de trabalhar com desafios e com a diversidade.

Klaus Schwab argumenta que em um futuro próximo, as pessoas irão prestar serviços e realizar projetos para diferentes empresas e empregadores. Surfar na carreira e desenvolver projetos em áreas que tenham convergência exigirá maior flexibilidade das pessoas e uma reorganização da estrutura acadêmica das IES.

É nessa perspectiva que os jovens tendem a priorizar o investimento em uma série de cursos de curta duração, para que constituam um portfólio de habilidades e competências requeridas por um mundo que será impactado pela Quarta Revolução Industrial.

O Semesp acredita que os líderes das IES precisam compreender os princípios das mudanças que estão por vir. Por esse motivo, quer provocar a reflexão sobre o impacto da Quarta Revolução Industrial na organização e na dinâmica das instituições e apontar possibilidades de projetos que as insiram no século 21.

Através do 20º FNESP, bem como de outras iniciativas relevantes, o Semesp exerce sua função de organização que defende seus associados e busca a melhoria da qualidade do sistema de ensino superior ao antecipar as tendências e indicar caminhos para que as IES possam repensar suas estratégias.

1º dia – 27/09/2018

9h

Abertura do evento

9h30

Como será o trabalho do futuro?

As novas profissões em um mundo conectado, compartilhado e interativo.

José Pastore

Pesquisador e Sociólogo
FEA e FIA / USP

10h15

☕ Coffee-break

11h

A educação em uma nova era

Esqueça tudo o que você já viu, a 4ª Revolução Industrial veio para romper barreiras  e recriar conceitos.

Thomas Philbeck

Diretor de Estudos de Ciência e Tecnologia
Fórum Econômico Mundial

DEBATEDOR

Joaquim José Soares Neto

Conselheiro
Câmara de Educação Superior

DEBATEDORA

Carolina Marra Simões Coelho

Vice-Presidente Acadêmica
Anima Educacional

12h45

🍴 Almoço oferecido pelo evento

14h

O desenho da nova IES

Os modelos de Instituições de Ensino Superior sustentáveis que vão agregar valor às novas gerações.

Rodolfo Bertolini

CEO
Centro Universitário Celso Lisboa

Stefanie Lindquist

Vice-Reitora
Arizona State University

DEBATEDOR

Fábio Reis

Diretor de Inovação e Redes de Cooperação
Semesp

16h

☕ Coffee-break

16h40

Lançamento do Mapa do Ensino Superior 2018

16h40

A crise do diploma e as profissões do futuro

Como lidar com os novos paradigmas, manter a competitividade e garantir a sustentabilidade das IES?

Liz McMillen

Editora
Chronicle of Higher Education

Rodrigo Capelato

Diretor Executivo
Semesp

DEBATEDOR

Fábio Romeu

Vice-Reitor de Planejamento, Administração e Finanças
UNIP

18h30

🥂 Festa de aniversário de 20 anos do Fnesp e da Revista Ensino Superior

2º dia – 28/09/2018

9h

A inteligência artificial aliada à inovação do Ensino Superior

Ferramentas capazes de potencializar e transformar a educação superior.

Guilherme Pereira

Diretor de Inovação Corporativa
FIAP

Joanna Bryson

Pesquisadora Transdisciplinar
Bath University

Maurício Garcia

Vice-presidente de Inovação e Ensino
Adtalem Brasil

DEBATEDOR

Wagner Sanchez

Diretor Acadêmico
FIAP

10h50

☕ Coffee-break

11h25

Comunicação digital e a geração millennials

A eficácia da comunicação digital para a nova geração.

Pedro Dória

Jornalista e Escritor
CBN / O Globo / Estadão

Sidnei Oliveira

Escritor e Expert em Conflitos de Gerações

DEBATEDOR

Mario Sérgio Swerts

Pró-Reitor Acadêmico
UNIFENAS

13h

🍴 Almoço oferecido pelo evento

14h30

Ousadia para inovar

A força da inquietude para quebrar barreiras e fazer a diferença.

Tábata Amaral

Cientista Política

Mônica Iozzi

Atriz e Apresentadora

DEBATEDORA

Maria Beatriz Balena Duarte

Pró-Reitora Acadêmica
PUC Paraná

15h30

Concurso HackLab Fnesp

Pitch dos grupos participantes do HackLab Fnesp, com soluções criativas para o ensino superior.

palestrantes do 20º fnesp

José Pastore
Q

José Pastore

José Pastore é Doutor Honoris Causa em Ciência e Ph. D. em sociologia pela University of Wisconsin (EUA). É professor titular da Faculdade de Economia e Administração e da Fundação Instituto de Administração, ambas da Universidade de São Paulo. É pesquisador da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas e consultor em relações do trabalho e recursos humanos. (Fonte: josepastore.com.br)

Thomas Philbeck
Q

Thomas Philbeck

Thomas D. Philbeck é Diretor de Estudos de Ciência e Tecnologia do Fórum Econômico Mundial. Antes atuou como reitor assistente da Faculdade de Artes e Ciências do Instituto de Tecnologia de Nova York, obteve um PhD da Florida State University e um MBA da Hautes Etudes Commerciales (HEC) de Paris. Seu foco é na área de interseção entre tecnologia, sociedade, negócios e filosofia. Grande explorador, viveu nos EUA, Reino Unido, Europa, Oriente Médio e Índia, atuando em vários setores. Gosta de pintar, voar, ficção científica e cosmos.

Rodolfo Bertolini
Q

Rodolfo Bertolini

Rodolfo Bertolini é empreendedor e Educador por natureza. É bacharel em Educação Física, foi professor universitário por mais de 10 anos, além de ter criado duas startups. Assumiu a Diretoria Executiva do Centro Universitário Celso Lisboa há 4 anos, e incomodado com a educação tradicional, criou a LIGA, uma abordagem metodológica que transforma a aprendizagem em uma experiência colaborativa, dinâmica e conectada com o mercado de trabalho.

Stefanie Lindquist
Q

Stefanie Lindquist

Stefanie Lindquist, Relações Públicas e Internacionais de 2013 a 2016, depois de servir como reitora interina, reitora associada de divulgação e reitora assistente de assuntos acadêmicos na Faculdade de Direito da Universidade do Texas. Antes atuou como professora associada de direito e ciências políticas na Universidade Vanderbilt. Reconhecida como especialista no Supremo Tribunal dos EUA, direito constitucional, direito administrativo e estudos jurídicos empíricos, é co-autora de dois livros, dezenas de artigos e capítulos de livros. Seu livro, Medindo o ativismo judicial, é a primeira publicação a definir quantitativamente o termo tão utilizado. Foi reconhecida por suas excepcionais habilidades de ensino na Universidade Vanderbilt, onde recebeu o Prêmio Robert Birkby de Excelência em Ensino de Ciências Políticas e na Universidade da Geórgia, onde ganhou o Prêmio Richard B. Russell pelo excelente ensino de graduação. Professora nomeada do ano pelos alunos de pós-graduação do Departamento e da Administração Pública. Foi editora-chefe do Temple Law Review e trabalhou para o honorável Anthony J. Scirica no Tribunal de Apelações dos Estados Unidos, na Filadélfia. Mais tarde, exerceu a advocacia em Latham e Watkins, em Washington, D.C. Também atuou como pesquisadora associada no Federal Judicial Center em Washington D.C., auxiliando comitês da Conferência Judicial Federal no tratamento de questões de administração judicial. Tornou-se vice-reitora e vice-presidente de assuntos acadêmicos e professora da Fundação de Direito e Ciências Políticas da Universidade Estadual do Arizona em 1º de setembro de 2016. Foi Professora de Arqueologia e diretora da Universidade da Georgia.

Liz McMillen
Q

Liz McMillen

Liz McMillen tornou-se editora do Chronicle of Higher Education em 2011. Como editora, ela supervisiona uma redação de 65 repórteres, editores, jornalistas de dados e designers que produzem um site diário, uma edição impressa semanal e vários suplementos especiais por ano. Sob sua liderança, a redação do Chronicle recebeu prêmios da Online News Association, da Society for News Design e da Education Writers Association. Em sua carreira de repórter, cobrindo questões do corpo docente, pesquisa e negócios, foi também editora de seção e editora do The Chronicle Review. Já foi palestrante em várias conferências de ensino superior e, em 2013, foi selecionada para ministrar a Palestra Graham Hovey na Universidade de Michigan. Recebeu seu bacharelado da Universidade da Pensilvânia e recebeu a Bolsa Knight-Wallace de Jornalismo na Universidade de Michigan.

Rodrigo Capelato
Q

Rodrigo Capelato

Rodrigo Capelato é Sócio da Expertise Educação. Possui graduação em Economia pela Universidade de São Paulo – USP, Pós-Graduação em Tecnologia da Informação pela Fundação Instituto de Administração da USP. Coordenador do Sistema de Informações do Ensino Superior Privado – Sindata. Membro da Comissão de Aperfeiçoamento do FIES, do Conselho Consultivo do Programa de Aperfeiçoamento dos Processos de Regulação e Supervisão da Educação Superior – CC-PARES/MEC e do Grupo de Estudo sobre Indicadores de Educação Superior – GEIES do INEP/MEC.

Professor dos cursos de pós-graduação Gestão e Direito Educacional pelo Instituto Internacional de Ciências Sociais e Gestão Universitária pelo Centro Universitário Salesiano de São Paulo. Autor dos livros Novos Desafios no Ensino Superior, da Ensinamento Editoras, Administração de Instituições de Ensino Superior, da Editora Alínea, Destruição Criativa na Educação Superior, da Editora Cultura, e Redes de Cooperação no Ensino Superior: Sinergia e Sustentabilidade, pela Penso Editora.

Coordenador de diversos estudos e pesquisas como Mapa do Ensino Superior no Brasil, A Força do Ensino Superior no Mercado de Trabalho, Panorama dos Concluintes do Ensino Superior, Perfil do Aluno de Iniciação Científica, entre outras.

Foi pesquisador da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas da Universidade de São Paulo. Autor de diversos artigos na área de potencial de mercado e ensino superior, como Três desafios à gestão do ensino no século 21, pela Harvard Business Review, Ranking das regiões paulistas segundo o potencial de mercado, pela revista Economia & Empresa, Perfil econômico-financeiro do setor e Características gerais do setor – Evasão, pela Análise Setorial do Ensino Superior Privado – Hoper Estudos de Mercado, Panorama sobre a educação superior no Brasil e o impacto do financiamento estudantil na expansão das matrículas, pela publicação La Universidad Privada en América Latina y el Caribe, A relevância do ensino superior privado no Brasil, pela Revista de Educación Superior en América Latina, entre outras.

Guilherme Pereira
Q

Guilherme Pereira

Guilherme Pereira é diretor de inovação da FIAP, formado em Ciências Econômicas e especialista em Inovação e Empreendedorismo pela Stanford University. Possui também MBA em Gestão Estratégica de Negócios com extensão internacional na Babson College. Atua há mais de 15 anos desenvolvendo projetos de inovação em empresas como Basf, Braskem, BG, Bosch, Eaton, Fiat, Givaudan, J&J, M Dias Branco, Natura, Nestlè, Ourofino, Petrobras, PepsiCo, P&G, Promon, Rhodia, Saint-Gobain, Scania, Siemens, Suzano, Usiminas, Unimed, Vale e Votorantim.

Joanna Bryson
Q

Joanna Bryson

Joanna Bryson é especialista em inteligência, pelas perspectivas da ciência da computação, da psicologia e da biologia. Tem sete anos de experiência em finanças industriais, entretenimento, consultoria e manufatura. Desde 2005, estuda a dinâmica fundamental (evolucionária) da inteligência social, estruturas de dominância e comportamento coletivo. Desde 2010, Joanna está envolvida na política de tecnologia para robótica e sistemas artificialmente inteligentes em geral. Atualmente é afiliada ao Centro de Políticas de Tecnologia da Informação de Princeton.

Maurício Garcia
Q

Maurício Garcia

Maurício Garcia é Vice-Presidente de Inovação e Ensino da Adtalem Brasil, grupo que reúne as instituições brasileiras de ensino superior do Adtalem Education Group, com sede em Chicago, nos Estados Unidos, do qual também foi Presidente do Conselho Acadêmico Mundial. Graduado em em Medicina Veterinária pela USP, possui mestrado pela USP, doutorado pela USP, MBA pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) e cursos de aperfeiçoamento na Fundação Dom Cabral e na Stanford University. Tem mais de 35 anos de experiência em educação superior, tendo atuado em diversas instituições de ensino, bem como participado ativamente de entidades como o Fórum das Entidades Representativas do Ensino Superior Particular, a Associação Brasileira de Mantenedoras de Educação Superior (ABMES) e a Associação Brasileira da Educação Superior (ABRAES). Tem também desempenhado intensa atividade junto ao Ministério da Educação, seja como avaliador do INEP, seja em colegiados como a Comissão Nacional de Avaliação do Ensino Superior (CONAES), o Conselho Consultivo do Programa de Aperfeiçoamento dos Processos de Regulação e Supervisão da Educação Superior (CC-PARES) e o Grupo de Estudos de Indicadores para a Educação Superior (GEIES/INEP).

Pedro Dória
Q

Pedro Dória

Pedro Dória é jornalista, escritor, palestrante e colunista da CBN, O Globo e Estadão. Que tipo de mundo o Vale do Silício está criando? Que invenções estão na iminência de chegar e mudarão por inteiro a maneira como cidades se organizam, negócios se financiam, farão surgir novas profissões e desaparecer outras? As mudanças atiçadas pelo digital já começaram. Vê-se na instabilidade política do mundo, no fortalecimento dos radicais. Vê-se na angústia de todos.

Sidnei Oliveira
Q

Sidnei Oliveira

Sidnei Oliveira é Consultor, Autor e Palestrante, expert em Conflitos de Gerações, Geração Y e Z, desenvolvimento de Jovens Potenciais e Mentoria. Autor de vários livros sobre liderança e dos best-sellers da série Geração Y.

Formado em Marketing e Administração de Empresas, foi executivo e diretor em instituições Financeiras e fundador dos sites Achei!! E Zeek! Até a venda da empresa para a StarMedia Networks, primeiro negócio envolvendo a transferência de controle de capital em empresa de internet realizado na América Latina.

É atualmente presidente da Escola de Mentores, Vice-presidente do Instituto Atlantis de preservação ambiental e membro do Fórum de Líderes Empresariais.

É também articulista e colunista na Exame.com, onde reflete com jovens potenciais e especialistas, questões sobre Carreira, Relacionamentos e Estilo de Vida dos Jovens Talentos de todas as gerações.

Tabata Amaral
Q

Tabata Amaral

Tabata Amaral de Pontes, 23 anos, se graduou magna cum laude com honras máximas em Governo e Astrofísica de Harvard College. Sua tese intitulada “A política das reformas educacionais em municípios brasileiros” recebeu o Prêmio Kenneth Maxwell em estudos brasileiros e o Prêmio Eric Firth para o melhor ensaio sobre o tema de ideais democráticos. Vinda da periferia de São Paulo, estudou em uma escola privada com bolsa integral e representou o Brasil em cinco olimpíadas internacionais de ciências.

Tabata é co-fundadora do Projeto VOA!, projeto que prepara alunos de escolas públicas para as olimpíadas científicas, do Acredito, um movimento de renovação política, e do Movimento Mapa Educação, um movimento que luta por uma educação de qualidade para todos os brasileiros, acompanhando políticas educacionais e realizando debates para tornar a educação, de fato, uma prioridade na agenda nacional.

Ela é Jovem RAPS, Lemann Fellow e bolsista da Fundação Estudar, e recebeu os prêmios Faz Diferença do Jornal O Globo (Categoria Sociedade/ Educação) em 2016 e Next Generation Women Leader Award da McKinsey em 2017. Seu maior sonho é transformar o Brasil através da gestão pública, para que o país seja mais justo, inclusivo e desenvolvido.

Mônica Iozzi
Q

Mônica Iozzi

Monica Iozzi é atriz. Bacharel em Artes Cênicas pela Unicamp, foi integrante do renomado grupo de teatro Os Satyros de São Paulo. Em seguida, trabalhou como repórter no humorístico CQC da BAND. Entre 2009 e 2013, Monica foi a responsável pela cobertura política do programa no Congresso Nacional. Já em 2014, entra para o elenco da Rede Globo. Trabalhou com atriz em novelas e séries, mas conseguiu destaque ao voltar ao entretenimento como apresentadora do diário Vídeo Show. Neste ano, a atriz volta à TV com as séries Carcereiros e Assédio, ambas na Rede Globo.

patrocinadores do 20º fnesp